Ray Dalio, fundador da Bridgewater Associates era o maior gestor de fundos do mundo quando….

Para mim, a vida consiste em três fases. Na primeira, somos dependentes de outros e aprendemos. Na segunda, outros dependem de nós e trabalhamos. Na terceira e última, não dependem mais de nós, não precisamos mais trabalhar e estamos livres para saborear a vida.

Ray Dalio em “Princípios – Vida e Trabalho – Ed Intrínseca”

Quem você quer ser quando se aposentar?

Quer tirar os próximos anos para fazer tudo o que ainda não deu tempo? Viajar, descansar, aprender uma nova língua, praticar um hobby, levar a família para passear?

Agora peço que faça um exercício.

Você consegue se imaginar em um futuro onde dependerá financeiramente dos outros para fazer as coisas que tem vontade?

Um futuro que você não vai poder viajar mais porque as contas não fecham, você mal vai conseguir pagar um bom plano de saúde (justamente quando você mais precisa dele), e nem vai poder frequentar os restaurantes que você tanto gosta com a família.

Não vai poder dar o conforto às pessoas que você ama.

Ou ainda pior: você vai ter que disputar uma vaga de emprego aos 60, 70 anos de idade porque não consegue sobreviver com a sua aposentadoria.

Acho que não é bem essa a forma que você merece chegar à velhice.

Quando o assunto é o seu futuro financeiro e de toda a sua família, não dá para se sentir inseguro.

Ainda assim, negligenciamos o assunto.

Na escala de prioridades, o “futuro” parece estar longe demais e preferimos “deixar para depois”.

Vamos deixando para depois…

Para depois…

Para depois…

Até que o depois chega.

A verdade é que não dá mais para resolver “depois”.

O Brasil não se preparou para o envelhecimento da população.

A forma com que um país cresce está diretamente ligada a sua população economicamente ativa.
Quem trabalha produz.

Desde a década de 70, o Brasil vem colhendo esses frutos.

Mas, a situação mudou. Uma vez que o País envelhece mais (e mais rápido) essa vantagem econômica tende a desaparecer.

E é exatamente isso que está acontecendo agora.

A proporção de pessoas em idade ativa está ficando menor do que o número de idosos e crianças.

Além disso tem o desemprego: uma parcela grande de pessoas que poderia mover a máquina econômica do País simplesmente está parada.

Estamos envelhecendo mais, mas sem gerar mais riqueza.

Ou seja, MENOS gente sustentando a aposentadoria de MAIS gente.

Quem vai pagar a conta quando chegar a sua vez de se aposentar?

O Governo parece que não.

Hoje os brasileiros pagam mensalmente o INSS, mas não têm garantia nenhuma de que receberão o dinheiro de volta.

Com as reformas que uma hora virão, com Temer ou nos próximos governos, os benefícios infelizmente tendem a se reduzir ainda mais.

O natural é que cada brasileiro receba algo muito mais próximo ao piso do que ao teto.

Justamente na fase em que seus gastos aumentarão e que você mais deseja viver com tranquilidade, sua aposentadoria pode não existir.

Este não é um problema de longo prazo, que seus netos ou bisnetos viverão.

Está acontecendo.

As consequências dessa irresponsabilidade podem interferir diretamente sobre você já no ano que vem.

Não se espante se, num futuro relativamente próximo, todos os aposentados ou pensionistas do INSS receberem apenas um salário mínimo – ou algo bem próximo disso.

Eu te pergunto: você conseguiria viver com um salário mínimo?

Acredito que não.

Por isso, você precisa ter uma previdência por conta própria.

À essa altura, muitos já se precaveram e fizeram um plano de previdência privada para ter alguma segurança maior quando pararem de trabalhar.

Mas será que esta é mesmo a melhor solução?

Se você já tem um plano em um grande banco, deve saber a resposta.

O retorno da indústria previdenciária foi em média de 83,5% do CDI.
Fonte: Quantum Axis e CVM

Isso porque as taxas que eles cobram quase sempre não compensam.

A começar pela taxa de carregamento.

Você deposita R$ 1.000, e eles de cara pegam R$ 50 do seu dinheiro. Às vezes R$ 100. De cada contribuição, mês a mês, ao longo de muitos anos.

Depois, porque cobram uma taxa de administração alta, que consome ainda mais a rentabilidade do plano.

Sem contar que esses planos costumam concentrar todo o patrimônio.

No Brasil, 93% os R$ 767 bilhões investidos em previdência estão em Renda Fixa, sem incrementar seus resultados com outros ativos.

Seu esforço de poupar no longo prazo não é recompensado de forma adequada

Há alguns minutos, você não sabia que era possível ter acesso a um plano de Previdência tão bom por tão pouco.

A verdade é que só saber que ele existe não basta.

Você sabe o que isso significa, certo?

Significa que é preciso agir.

Tomar uma atitude prática.

Não só pelo fato de que cada dia que passa é um dia irremediavelmente perdido na construção do seu futuro.

E acredite: quando falamos em multiplicar seu dinheiro, cada dia conta.

Por isso eu te pergunto: Quem você quer ser quando se aposentar?

Escrito por Equipe Vitreo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *